segunda-feira, 24 de julho de 2017

UM FILHO DE DEUS PODE SE SENTIR UM FILHO DA IRA?



Quando sentimos Deus presente em meio aos nossos sofrimentos somos capazes de passar e enfrentar o que for, quer sejam adversidades, angustias, tribulações, doenças e etc., pois sabemos que Ele é conosco e independente do que for, nEle teremos força para prosseguir. Mas e quando a situação muda? E quando estamos em meio a terríveis provações e ao invés de sentirmos a mão de Deus nos consolando e nos dando forças para prosseguir, sentimos como se o próprio Deus além de nos estar rejeitando, está nos esmagando com Suas próprias mãos? E o pior é quando isso acontece quando estamos levando uma vida de santidade e obediência a Palavra dEle, rejeitando o pecado e se sujeitando a pessoa de Cristo. Será que isso é possível? Será que é possível um verdadeiro eleito de Deus se sentir um vaso de desonra e destinado a ira, mesmo não sendo? Bem, por pior que isso possa parecer para alguns cristãos, isso não somente é possível como também ocorre na vida de muitos santos ao longo da história. Um deles é o salmista do Salmo 88. O Salmo 88 é conhecido como o Salmo mais triste da bíblia, diferente de outros Salmos, este Salmo não termina com nenhuma nota de esperança ou livramento da parte de Deus, a última palavra deste Salmo é “trevas”, o salmista termina dizendo que todos os seus amigos e companheiros o haviam abandonado, e que sua única companhia eram as trevas (Sl 88:18). Este é o único salmo em todo o saltério que termina desta maneira.

Talvez alguns digam: “ah, certamente o salmista estava sendo afligido por Deus por causa de algum pecado que ele havia cometido.” – Certamente o salmista era um pecador diante de Deus, assim como qualquer outro homem (Rm 3:23), porém, a palavra “pecado” não aparece em nenhum lugar neste Salmo, diferente de outros salmistas que atribuem a causa de seus sofrimentos a algum pecado que haviam cometido (vide Sl 51, Sl 25:7, Sl 32 e etc), o salmista do Salmo 88 em momento algum diz que a causa de seus sofrimentos advinham de algum pecado que ele havia cometido contra Deus. E aqui vale ressaltar que nem todo sofrimento na vida de um filho de Deus é consequência do pecado, muitos cristãos ao verem outro irmão ser afligido por algum motivo, ao invés de consolá-lo e usarem de misericórdia, já se aproximam com 5 pedras na mão, dizendo que tal sofrimento advêm de algum pecado do mesmo, foi assim que os amigos de Jó fizeram (Jó 4:1 – 7:21) e é assim que muitos ainda fazem nos dias de hoje. Os discípulos de Jesus ao encontrarem um homem cego de nascença, perguntaram: "Mestre, quem pecou: este homem ou seus pais, para que ele nascesse cego?" (João 9:2), Jesus os respondeu dizendo: "Nem ele nem seus pais pecaram, mas isto aconteceu para que a obra de Deus se manifestasse na vida dele.” (João 9:3). “Amai-vos uns aos outros” (Jo 13:34), é o que Deus nos instrui a fazer.

O salmista não estava simplesmente passando por uma faze ruim que durava somente alguns dias, muito pelo contrário, ele diz que as angústias e aflições que o afligiam o acompanhavam desde sua mocidade (Sl 88:15), eram sofrimentos que vinham o acompanhando por toda a sua vida, dia após dia. Dia e noite ele clamava a Deus por socorro (v.1), e além de não receber nenhum tipo de socorro da parte de Deus, ou de sequer ter suas orações ouvidas, ele diz que durante toda a sua vida, o único sentimento que sente vindo da parte de Deus é o seu furor, ele ainda diz: “Puseste-me no abismo mais profundo, em trevas e nas profundezas...  tu me afligiste com todas as tuas ondas... (Salmos 88:6-7).

Que terrível experiência é esta! A de ser um verdadeiro filho de Deus, de levar uma vida no centro de Sua vontade, e ainda assim sentir o céu fechado sobre sua cabeça, e a ira de Deus sobre os seus ombros. Jó também experimentou isso, mas diferente de Jó, o salmista não vislumbrou nenhum tipo de livramento da parte de Deus, e provavelmente ele foi alguém que viveu toda a sua vida debaixo destes conflitos, mesmo sendo um homem temente a Deus. Não sabemos exatamente a identidade deste salmista, sua autoria é incerta. Sobre isto, o rev. Augustus Nicodemus diz o seguinte: “O Salmo diz que ele foi escrito por Hemã, o Ezraíta, e diz que ele era dos filhos de Corá. Os filhos de Corá eram uma das famílias de Levi que serviam a Deus no templo, eles eram levitas que ministravam louvor a Deus no templo, com isto, vemos que este Hemã era alguém consagrado a Deus e temente a Deus. As atribuições do salmo diz que se trata de um salmo didático, ou seja, foi algo que ele escreveu para ensinar, então, era alguém maduro o suficiente para entender que a experiência dele poderia ajudar outras pessoas, e ele escreveu um salmo para ajudar outras pessoas, para ensinar outras pessoas que estariam passando pelo mesmo sofrimento que ele passou.” Ele diz ainda: “No livro de 1 Rs 4:31 está escrito que Salomão era mais sábio que todos os homens, mais sábio do que Etã, ezraíta, e mais sábio do que Hemã. E se este Hemã se tratar do mesmo Hemã do salmo 88, só existia um homem mais sábio que ele, o rei Salomão¹”. Veja também 1 Cr 2:6.

Não sabemos a causa exata do sofrimento deste homem de Deus, certamente, por se tratar de um levita que servia a Deus no templo, seu sofrimento não estava relacionado com a lepra, como alguns dizem, do contrário, ficaria impedido de ministrar no santuário, como os versos do 10-12 dão a entender que ele fazia, pois, mesmo em meio a tamanho sofrimento e se sentindo como alguém que havia sido rejeitado por Deus, ao dizer que se via como alguém que estava contado entre os mortos (v. 3-6), ainda assim ele louvava a Deus, falava de Sua bondade, Suas maravilhas e Sua justiça (v. 10-12), e questionava a Deus dizendo, que se ele fosse contado a morte e viesse a descer a sepultura, que proveito Deus poderia ter nisso? Visto que os mortos não o poderiam louvar. Vemos com isto que, mesmo o salmista se sentindo afligido pelo próprio Deus e debaixo do seu furor, ainda assim ele O louvava e proclamava a Sua justiça diante dos homens. Que maravilhoso exemplo!

Matthew Henry diz o seguinte sobre isso: “As primeiras palavras do salmista são as únicas de consolo e sustento deste salmo. Deste modo, os bons podem ser muito afligidos, podem chegar a ter pensamentos desanimadores sobre as suas aflições, e chegar a conclusões sombrias sobre o seu final, pela força da melancolia e fraqueza da fé. Queixa-se principalmente do desagrado de Deus. Até mesmo os filhos do amor de Deus podem pensar, às vezes, que são filhos da ira, e que nenhum problema exterior pode ser tão difícil para eles como este.²”

William MacDonald diz o seguinte em seu comentário: “E assim termina o mais triste dos salmos. Para aqueles que não entendem a razão para esse salmo ter sido incluído na Bíblia, leiam o testemunho de J. N. Darby. Em certo momento difícil de sua vida, ele declara que esse foi o único texto da Escritura que o ajudou, pois percebeu que alguém havia enfrentado tristeza tão profunda quanto ele. Clarke cita, de uma fonte desconhecida: ‘Há apenas um salmo como esse em toda a Bíblia, apresentando uma experiência tão rara; porém, trata-se do único salmo que assegura ao aflito mais desesperado que Deus não o abandonará³’”.

Este salmo foi escrito por um verdadeiro servo de Deus, que durante toda a sua vida experimentou momentos de extremas angustias e terríveis aflições, e cremos que é exatamente por isso que este salmo se encontra nas Escrituras. Deus nunca nos enganou, o cristianismo que é apresentado por ai, que diz que se você vier para Cristo todos os seus problemas serão resolvidos e você levará uma vida livre de adversidades, é um cristianismo falso. A bíblia é muito honesta, ela relata os sofrimentos daqueles que aceitaram a Cristo, que caminham com Deus, e que de fato pertencem a Ele e que mesmo assim não são poupados de sofrerem neste mundo. Jesus disse: “No mundo tereis aflições...” – Mas também disse: Tende bom ânimo, eu venci o mundo.” (João 16:33)

Que Deus em Cristo, através do sEu Espírito, nos ajude a concluir a honrosa e nobre missão de sofrer pelo sEu nome.

¹ - Parte extraída de uma mensagem do rev. Augustus sobre o salmo 88, na primeira igreja presbiteriana de Goiânia.
² - Texto extraído do comentário bíblico de Matthew Henry sobre o salmo 88
³ - Texto extraído do Comentário Bíblico popular do Antigo Testamento, de William MacDonald, ed. Mundo cristão, pag. 461

Por Hamilton Fonseca

quarta-feira, 14 de junho de 2017

Em vão vigiam, se o SENHOR não guarda



“Se o Senhor não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam; se o Senhor não guardar a cidade, em vão vigia a sentinela.” Salmos 127:1

Muitas pessoas estão fazendo de suas casas verdadeiros presídios, por medo da violência. Fortunas são gastas com a construção de muros, torres, cercas elétricas e etc. Nações inteiras tem gasto rios de dinheiro para reforçarem os seus exércitos com o receio de uma guerra iminente. O pânico tem falado tão alto no coração de alguns, que muitos sequer saem de casa com medo de serem assaltados, mortos ou feridos física/emocionalmente de alguma maneira. E a pergunta que fica é: de que isto tem adiantado?

“Fortalezas” são invadidas e saqueadas diariamente. Casas e condomínios, por mais seguros que pareçam ser, estão sendo arrombadas e saqueadas todos os dias, de forma que não é preciso sair de dentro de casa para se tornar uma vitima deste mundo cada vez mais corrompido e depravado. Uns tem buscado forças em cavalos, outros, em cavaleiros, e o temor ao SENHOR tem sido deixado de lado.

Em vão edificam casas, se o SENHOR não as edifica. Em vão vigiam, se o SENHOR não guarda. Não temam o mundo e o que nele há. “Não tenham medo dos que matam o corpo, mas não podem matar a alma. Antes, tenham medo daquele que pode destruir tanto a alma como o corpo no inferno.” (Mt 10:28)

Que a nossa segurança não venha estar em muros ou fortalezas, em carros ou em cavalos, mas no SENHOR. Que nossas palavras venham refletir as do salmista: “Tu és o meu refúgio e a minha fortaleza, o meu Deus, em quem confio.” (Sl 91:2)

Salmos 121

1 Levanto os meus olhos para os montes e pergunto: De onde me vem o socorro?
2 O meu socorro vem do Senhor, que fez os céus e a terra.
3 Ele não permitirá que você tropece; o seu protetor se manterá alerta,
4 sim, o protetor de Israel não dormirá, ele está sempre alerta!
5 O Senhor é o seu protetor; como sombra que o protege, ele está à sua direita.
6 De dia o sol não o ferirá, nem a lua, de noite.
7 O Senhor o protegerá de todo o mal, protegerá a sua vida.
8 O Senhor protegerá a sua saída e a sua chegada, desde agora e para sempre.

Por Hamilton Fonseca

quinta-feira, 8 de junho de 2017

TUDO POR JESUS, NADA SEM JESUS!



”E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos.” At 4:12
Não há outro nome pelo qual devamos ser salvos. Somente o nome de Jesus tem o poder de reconciliar o homem com Deus. Somente em Jesus temos salvação. Não existe outro caminho, não existem atalhos, não existe nada fora de Cristo que nos leve a Deus.
Solus Christus – Da mesma forma que não existe salvação fora de Jesus, também não existe outro mediador entre Deus e o homem que não seja Jesus: “Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem.” I Tm 2:5.
Não devemos dirigir as nossas orações/adorações a nenhum outro que não seja Deus, e só devemos nos achegar a Deus através de Jesus Cristo, e nenhum outro. Pois não existe salvação fora de Jesus, e não existe outro mediador entre Deus e os homens que não seja Jesus. Nem Maria, nem Pedro, nem Paulo, nem ninguém, só Jesus Cristo.
A Jesus Cristo, e somente a Jesus Cristo, seja a honra e a glória, para sempre e sempre, amém!

Por Hamilton Fonseca

QUE DIREMOS, POIS, EM VISTA DESTAS COISAS?



Não existem palavras ou expressões, em qualquer língua ou dialeto, ou qualquer outro meio de comunicação existente, que expressem o infinito amor pelo qual Deus nos amou. O amor de Deus foi uma ação, e não uma reação, pois Ele nos amou primeiro (I Jo 4:19). Deus se fez homem, se fez servo, se esvaziou a si mesmo, e se entregou por aqueles que eram seus inimigos, para poder fazê-los seus amigos, mais que isso, para fazê-los filhos, e filhos amados (Rm 5:10, Jo 1:12). Isto é escândalo e loucura para os que perecem, mas para nós é o poder de Deus. (I Co 1:18)
O mundo não sabe o que perde, ele não conhece este amor, nem jamais o conhecerá. Felizes são aqueles que conhecem este amor, felizes são aqueles a quem Deus se revelou, aqueles a quem Ele se permitiu encontrar.
Maravilhoso amor! Incomparável amor! Que diremos, pois, diante destas coisas? O que fazer? Para onde ir? Se só Ele tem palavras de vida, e vida eterna. Que outro caminho seguir se só Ele é o caminho? Como não amar a quem tanto nos amou? Como não se entregar a quem por nós se entregou?
Jesus, constrangido estou; não sou digno de tamanho amor, não mereço teu imenso perdão, porém, grato sou, visto que me compraste e me justificaste mediante a minha fé em ti, fé esta, que até mesmo tu me deste, nada é meu, tudo é Teu; grato sou. Grato sou.

Por Hamilton Fonseca 


“A LETRA MATA” (TEOLOGIA, PARA ALGUNS) É O PIOR CONSELHO QUE O DIABO PODERIA TE DAR!



A distorção desta passagem bíblica tem levado muitos cristãos ao erro; muitos tem se deixado enganar por lobos em pele de ovelha simplesmente por não dedicarem diariamente uma parte do seu dia para estudar as escrituras, sob o argumento de que “a letra mata”, uma referência à passagem de II Co 3:6. Este é um argumento utilizado por pessoas preguiçosas e sem zelo nenhum pelas Escrituras, e Deus não tem parte com os preguiçosos (Pv 6:6), nem com aqueles que negligenciam a Sua Palavra: “Examinais as Escrituras, porque vós cuidais ter nelas a vida eterna, e são elas que de mim testificam.” (Jo 5:39).
Muitas das vezes estas distorções vêm de cristãos verdadeiros, que são sinceros diante de Deus, porém, que de alguma forma se deixaram levar pela falsa interpretação desta passagem. A “letra” dita pelo apóstolo Paulo aqui nada mais é que a antiga aliança, a lei de Deus que veio escrita em pedras (II Co 3:7). Esta “letra” mostrou ao homem o seu pecado e a sua incapacidade de poder cumprir as exigências de um Deus Justo, porém Cristo veio e cumpriu a lei de Deus em sua totalidade, satisfazendo a justiça de Deus. Jesus nos justificou nEle pela fé e nos livrou do peso da lei, vindo por meio dEle um “novo testamento, não da letra, mas do espírito; porque a letra mata e o espírito vivifica.” (II Corintios 3:6). Em Jesus a justiça de Deus é revelada pela fé, de modo que o justo viverá pela fé (Rm 1:17). Não estamos mais debaixo da lei (Gl 5:18).
A lei de Deus é boa, não é esta a questão aqui, tudo vai de como a entendemos e a usamos, pois como bem disse M. Henry: “até o Novo Testamento será uma letra que mata se for mostrado somente como um sistema ou forma, e sem a dependência do Espírito Santo para dar poder vivificador”.
Negligenciar a Palavra de Deus é o mesmo que negligenciar o próprio Deus: “O meu povo foi destruído, porque lhe faltou o conhecimento; porque tu rejeitaste o conhecimento, também eu te rejeitarei, para que não sejas sacerdote diante de mim; e, visto que te esqueceste da lei do teu Deus, também eu me esquecerei de teus filhos.” Oséias 4:6  
Não caia neste engano, não seja preguiçoso. O estudo da Palavra de Deus trás vida e não morte, se usado na total dependência do Espírito Santo.
“Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade.” II Timóteo 2:15
“BEM-AVENTURADO o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores. Antes tem o seu prazer na lei do SENHOR, e na sua lei medita de dia e de noite.” (Sl 1:1-2)
“Porque a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais penetrante do que espada alguma de dois gumes, e penetra até à divisão da alma e do espírito, e das juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração.” (Hb 4:12)
“Escondi a tua palavra no meu coração, para eu não pecar contra ti.” (Sl 119:11)
“Lâmpada para os meus pés é tua palavra, e luz para o meu caminho.” (Sl 119:105)

Por Hamilton Fonseca







quinta-feira, 11 de maio de 2017

Exposição de Tiago 1:12-17 - Provação e tentação




Texto bíblico:

12- Bem-aventurado o homem que sofre a tentação; porque, quando for provado, receberá a coroa da vida, a qual o Senhor tem prometido aos que o amam.
13- Ninguém, sendo tentado, diga: De Deus sou tentado; porque Deus não pode ser tentado pelo mal, e a ninguém tenta.
14- Mas cada um é tentado, quando atraído e engodado pela sua própria concupiscência.
15- Depois, havendo a concupiscência concebido, dá à luz o pecado; e o pecado, sendo consumado, gera a morte.
16- Não erreis, meus amados irmãos.
17- Toda a boa dádiva e todo o dom perfeito vem do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não há mudança nem sombra de variação.
Tiago 1:12-17

Que cristão está livre da tentação? O próprio Senhor não esteve (Mt 4:1-11). O verdadeiro cristão se encontra frequentemente em momentos de provação, todo cristão vive em um campo de batalha, não física, mas espiritual (Gl 5:17, Ef 6:12).

Mas, vamos analisar brevemente, com base no texto acima citado, como se dá este processo de provação/tentação/pecado:

Bem-aventurado o homem que sofre a tentação – Talvez, ao ler este texto, muitos se perguntem: “como posso ficar feliz por estar sendo tentado?”, a resposta vem logo em seguida: porque, quando for provado, receberá a coroa da vida, a qual o Senhor tem prometido aos que o amam. O principal objetivo da provação é a aprovação, quando saímos vitoriosos de uma provação, somos revigorados, fortificados e encorajados por Deus a nunca desistir. Glorificamos o nome de Deus ao mostrarmos na provação que nosso foco é Cristo, e que não há nenhum outro prazer em nós que não seja o de viver para a glória de nosso Senhor. (Gl 2:20)

Ninguém, sendo tentado, diga: De Deus sou tentado – Este é um ponto que merece atenção. Muitos cristãos em meio ao grande sofrimento e tribulação com o qual são atingidos podem chegar a um grave erro de atribuir a Deus aquela situação, podendo vir a dizer: “só estou passando por isso porque o Senhor está me induzindo ao erro” ou “por que Deus está me tentando desse jeito?”. Não, Deus não pode ser tentado pelo mal, e a ninguém tenta. Existem duas coisas neste texto que merecem distinção, são elas a PROVAÇÃO e a TENTAÇÃO. Deus não tenta, Deus prova. E qual a diferença? É simples, vamos dar um pequeno exemplo: Um cristão casado começa a ser “cantado” por uma mulher atraente em seu trabalho, e isso se torna cada vez mais frequente. Mas ele não cede, ele resiste àquelas provocações e diz não ao que poderia vir a ser um adultério. Veja bem, Deus poderia ter colocado este cristão diante desta situação para testar a sua fé de alguma maneira, repito, ele poderia ser colocado por Deus diante desta situação, mas Deus jamais o induziria a cometer qualquer pecado, Deus jamais ficaria em seu ouvido sussurrando: “vai lá, peque, ninguém está vendo”. JAMAIS! Tal pensamento é diabólico e não deve ser aceito pelo verdadeiro cristão. Mas então, se ele viesse a cometer o adultério, seria por causa do diabo, não é? Já que Deus jamais pode tentar alguém. A isto digo, também não, mas isso nós veremos mais pra frente, agora diremos porque Deus não pode ser tentado pelo mal, e a ninguém tenta. Isso acontece simplesmente porque Deus é amor, porque Deus é bom (1 Jo 4:8, Mc 10:18). O mal não faz parte da natureza de Deus, é IMPOSSÍVEL Deus ser atraído por qualquer sentimento que vá contrário a Sua natureza Santa e Justa. E isto é um motivo de indizível alegria ao verdadeiro cristão, pois, sabemos que servimos a um Deus imutável (Ml 3:6), logo, se Deus é amor, se Deus é Justo e se Deus é imutável, estamos seguros, pois não servimos a um deus inconstante, mas a um Deus que é Eterno e perfeito em Sua totalidade.

Mas cada um é tentado, quando atraído e engodado pela sua própria concupiscência – Aqui esta a resposta para a indagação anterior: “Mas então, se ele viesse a cometer o adultério, seria por causa do diabo, não é? Já que Deus jamais pode tentar ninguém”. A resposta é NÃO! Muitos cristãos tem o costume de atribuir a outras pessoas (e até mesmo ao diabo) a culpa de suas próprias falhas, foi assim desde o princípio, desde Adão e Eva pra ser mais exato. Eva, ao comer do fruto que Deus havia proibido, culpou a serpente, Adão culpou Eva (Gn 3), e você? A quem tem culpado? Somos os principais responsáveis pelos pecados que cometemos. Se Deus decidisse aprisionar todos os demônios e potestades existentes em uma jaula, de forma que eles não viessem a influenciar as decisões humanas em nada, ainda assim o pecado estaria presente no mundo, pelo simples fato do pecado fazer parte da natureza humana, “pois todos pecaram e estão destituídos da glória de Deus.” Romanos 3:23. O homem sem Deus e sem a ação do Espirito Santo em sua vida jamais poderá desejar aquilo que é bom. O verdadeiro cristão deve se humilhar diante de Deus, reconhecer os seus erros, na plena consciência de que é um pecador e carece das misericórdias e do perdão de seu Senhor. Pecamos porque nossas próprias concupiscências e cobiças nos levam a isso. Veja bem, pelas NOSSAS PRÓPRIAS concupiscências, não são pelas concupiscências de fulano ou sicrano, não são pelas concupiscências do diabo, mas pelas NOSSAS PRÓPRIAS concupiscências. O homem sem Deus é mal por natureza, e isto soa como ofensa aos não regenerados, pois eles buscam por seus próprios méritos e esforços a justificação de suas vidas. Que venhamos a reconhecer a nossa total incapacidade de vencer o mundo por nossas próprias forças, nem tampouco culpar a outros por nossas próprias falhas, mas que venhamos nos sujeitar a Deus e resistir ao diabo, para que ele venha fugir de nós (Tg 4:7), que venhamos a viver pelo Espírito, para jamais satisfazermos os desejos da carne (Gl 5:16).

Depois, havendo a concupiscência concebido, dá à luz o pecado; e o pecado, sendo consumado, gera a morte – Encontramos aqui uma analogia entre o pecado e uma gravidez, ou seja, quando nos deixamos vencer pelas nossas próprias cobiças, acabamos a gerando dentro de nós, e o filho que dela nasce é o pecado pelo qual nos deixamos seduzir, e este pecado sendo concretizado e praticado por nós, gera a morte. Vale ressaltar aqui o seguinte, não é pecado ser tentado, Jesus foi tentado por 40 dias no deserto e nem por isso pecou (Mt 4:1-11). Quando algum desejo que desagrade a Deus vem em nossa mente ou surge em nossa vida, devemos rejeitá-lo, devemos o negar e o resistir com todas as nossas forças, isso não é fácil, mas não é impossível, pois “não sobreveio a vocês tentação que não fosse comum aos homens. E Deus é fiel; ele não permitirá que vocês sejam tentados além do que podem suportar. Mas, quando forem tentados, ele lhes providenciará um escape, para que o possam suportar.” 1 Coríntios 10:13

Resista, lute, não se deixe vencer! Se sujeite a Deus e busque forças nEle, pois Ele está pronto a te ajudar.

Não erreis, meus amados irmãos, toda a boa dádiva e todo o dom perfeito vem do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não há mudança nem sombra de variação – Em resumo, Tiago está dizendo: Tudo o que vem de Deus é bom. Não há nada que vindo de Deus possa ser mal ou sombrio, tudo, exatamente tudo que vem de Deus é bom, pois Deus é bom e nEle não há nenhum tipo de mudança, variação ou inconstância, pelo contrário, Ele é imutável, é Eterno e Perfeito.

As lições que podemos tirar desta passagem de Tiago são:

1- Devemos nos alegrar e nos regozijar diante das provações e tentações que somos submetidos, sabendo que elas nos estão produzindo um eterno peso de glória, muito superior a todo sofrimento que passamos 2 Co 4:17;

2- Não devemos jamais culpar a Deus pelas tentações que somos submetidos, porque Ele é bom, e não pode ser tentado e nem tampouco tentar a ninguém. Somos tentados pelas nossas próprias concupiscências. Devemos reconhecer isso, e jamais culpar a ninguém por qualquer erro que venhamos cometer;

3- Devemos nos sujeitar a Deus e resistir às tentações, para que não venhamos dar a luz ao pecado;

4- Deus é bom em todo tempo, e em todo tempo Deus é bom! Nada de mal pode vir de Deus, e tudo que vem de Deus é bom.

Por Hamilton Fonseca

sexta-feira, 7 de novembro de 2014

Louco! Esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado, para quem será?





Quem não conhece a famosa parábola do rico insensato? (Lc 12:13-21). Um homem que passou a vida inteira ajuntando tesouros para si, mas que na verdade não era rico para com Deus.

Não são poucos os que se esquecem de Deus, não são poucos os que tem invertido a ordem do “buscai primeiro o reino de Deus e a sua justiça, e as demais coisas vos serão acrescentadas”. Aquilo que é secundário, ou pelo menos deveria ser, tem tomado um espaço cada vez maior na vida das pessoas. As preocupações com os afazeres, a correria do dia a dia, os infortúnios do cotidiano, tudo isso e muito mais tem tirado o foco de Deus nas pessoas, e não somente isso, quando valorizamos e priorizamos tanto aquilo que é secundário, de uma certa forma é como se estivéssemos dizendo para Deus: “Quando der eu te priorizo”, ou, “deixa só eu ajeitar algumas coisas aqui, Deus, que eu me volto para Ti”.

Procuramos deixar algo para os nossos sucessores, fazemos de tudo para nos estabelecermos, perdemos noites preciosas de sono com o medo do amanhã, até o dia em que Deus bradará dos céus dizendo: Louco! Esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado, para quem será? (Lucas 12:20)

Até que ponto não temos nos parecido com este rico insensato da parábola de Jesus? Até que ponto a nossa ganância e prepotência tem nos feito deixar Deus em segundo plano? Do que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma? (Mc 8:36). Do que nos vale um tesouro na terra ao invés de um tesouro no céu? (Mt 6:19-21)

Que Deus venha ser o nosso alvo principal, que nossa prioridade venha ser o reino de Deus e a sua justiça, que aquilo que é secundário venha ficar exatamente onde deve ficar, ou seja, em segundo plano. E que a maior motivação de nossas vidas seja sempre a de viver para a glória de Deus.


quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Didaquê: A Instrução dos Doze Apóstolos


(Ano 145-150 DC)

O CAMINHO DA VIDA E O CAMINHO DA MORTE

CAPÍTULO I

1 Existem dois caminhos: o caminho da vida e o caminho da morte. Há uma grande diferença entre os dois. 2 Este é o caminho da vida: primeiro, ame a Deus que o criou; segundo, ame a seu próximo como a si mesmo. Não faça ao outro aquilo que você não quer que façam a você.

3 Este é o ensinamento derivado dessas palavras: bendiga aqueles que o amaldiçoam, reze por seus inimigos e jejue por aqueles que o perseguem. Ora, se você ama aqueles que o amam, que graça você merece? Os pagãos também não fazem o mesmo? Quanto a você, ame aqueles que o odeiam e assim você não terá nenhum inimigo.

4 Não se deixe levar pelo instinto. Se alguém lhe bofeteia na face direita, ofereça-lhe também a outra face e assim você será perfeito. Se alguém o obriga a acompanhá-lo por um quilometro, acompanhe-o por dois. Se alguém lhe tira o manto, ofereça-lhe também a túnica. Se alguém toma alguma coisa que lhe pertence, não a peça de volta porque não é direito.

5 Dê a quem lhe pede e não peças de volta pois o Pai quer que os seus bens sejam dados a todos. Bem-aventurado aquele que dá conforme o mandamento pois será considerado inocente. Ai daquele que recebe: se pede por estar necessitado, será considerado inocente; mas se recebeu sem necessidade, prestará contas do motivo e da finalidade. Será posto na prisão e será interrogado sobre o que fez... e daí não sairá até que devolva o último centavo.

6 Sobre isso também foi dito: que a sua esmola fique suando nas suas mãos até que você saiba para quem a está dando.

CAPÍTULO II

1 O segundo mandamento da instrução é:

2 Não mate, não cometa adultério, não corrompa os jovens, não fornique, não roube, não pratique a magia nem a feitiçaria. Não mate a criança no seio de sua mãe e nem depois que ela tenha nascido.

3 Não cobice os bens alheios, não cometa falso juramento, nem preste falso testemunho, não seja maldoso, nem vingativo.

4 Não tenha duplo pensamento ou linguajar pois o duplo sentido é armadilha fatal.

5 A sua palavra não deve ser em vão, mas comprovada na prática.

6 Não seja avarento, nem ladrão, nem fingido, nem malicioso, nem soberbo. Não planeje o mal contra o seu próximo.

7 Não odeie a ninguém, mas corrija alguns, reze por outros e ame ainda aos outros, mais até do que a si mesmo.

CAPÍTULO III

1 Filho, procure evitar tudo aquilo que é mau e tudo que se parece com o mal.

2 Não seja colérico porque a ira conduz à morte. Não seja ciumento também, nem briguento ou violento, pois o homicídio nasce de todas essas coisas.

3 Filho, não cobice as mulheres pois a cobiça leva à fornicação. Evite falar palavras obscenas e olhar maliciosamente já que os adultérios surgem dessas coisas.

4 Filho, não se aproxime da adivinhação porque ela leva à idolatria. Não pratique encantamentos, astrologia ou purificações, nem queira ver ou ouvir sobre isso, pois disso tudo nasce a idolatria.

5 Filho, não seja mentiroso pois a mentira leva ao roubo. Não persiga o dinheiro nem cobice a fama porque os roubos nascem dessas coisas.

6 Filho, não fale demais pois falar muito leva à blasfêmia. Não seja insolente, nem tenha mente perversa porque as blasfêmias nascem dessas coisas.

7 Seja manso pois os mansos herdarão a terra.

8 Seja paciente, misericordioso, sem maldade, tranquilo e bondoso. Respeite sempre as palavras que você escutou.

9 Não louve a si mesmo, nem se entrege à insolência. Não se junte com os poderosos, mas aproxima dos justos e pobres.

10 Aceite tudo o que acontece contigo como coisa boa e saiba que nada acontece sem a permissão de Deus.

CAPÍTULO IV

1 Filho, lembre-se dia e noite daquele que prega a Palavra de Deus para você. Honre-o como se fosse o próprio Senhor, pois Ele está presente o­nde a soberania do Senhor é anunciada.

2 Procure estar todos os dias na companhia dos fiéis para encontrar forças em suas palavras.

3 Não provoque divisão. Ao contrário, reconcilia aqueles que brigam entre si. Julgue de forma justa e corrija as culpas sem distinguir as pessoas.

4 Não hesite sobre o que vai acontecer.

5 Não te pareças com aqueles que dão a mão quando precisam e a retiram quando devem dar.

6 Se o trabalho de suas mãos te rendem algo, as ofereça como reparação pelos seus pecados.

7 Não hesite em dar, nem dê reclamando porque, na verdade, você sabe quem realmente pagou sua recompensa. reverência, como à própria imagem de Deus.

8 Deteste toda a hipocrisia e tudo aquilo que não agrada o Senhor.

9 Não viole os mandamentos dos Senhor. Guarde tudo aquilo que você recebeu: não acrescente ou retire nada.

10 Confesse seus pecados na reunião dos fiéis e não comece a orar estando com má consciência. Este é o caminho da vida.

CAPÍTULO V

1 Este é o caminho da morte: primeiro, é mau e cheio de maldições - homicídios, adultérios, paixões, fornicações, roubos, idolatria, magias, feitiçarias, rapinas, falsos testemunhos, hipocrisias, coração com duplo sentido, fraudes, orgulho, maldades, arrogância, avareza, palavras obscenas, ciúmes, insolência, altivez, ostentação e falta de temor de Deus.

2 Nesse caminho trilham os perseguidores dos justos, os inimigos da verdade, os amantes da mentira, os ignorantes da justiça, os que não desejam o bem nem o justo julgamento, os que não praticam o bem mas o mal. A calma e a paciência estão longe deles. Estes amam as coisas vãs, são ávidos por recompensas, não se compadecem com os pobres, não se importam com os perseguidos, não reconhecem o Criador. São também assassinos de crianças, corruptores da imagem de Deus, desprezam os necessitados, oprimem os aflitos, defendem os ricos, julgam injustamente os pobres e, finalmente, são pecadores consumados. Filho, afaste-se disso tudo.

CAPÍTULO VI

1 Fique atento para que ninguém o afaste do caminho da instrução, pois quem faz isso ensina coisas que não pertencem a Deus.

2 Você será perfeito se conseguir carregar todo o jugo do Senhor. Se isso não for possível, faça o que puder.

3 A respeito da comida, observe o que puder. Não coma nada do que é sacrificado aos ídolos pois esse culto é destinado a deuses mortos.

A CELEBRAÇÃO LITÚRGICA
CAPÍTULO VII

1 Quanto ao batismo, faça assim: depois de ditas todas essas coisas, batize em água corrente, em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo.

2 Se você não tiver água corrente, batize em outra água. Se não puder batizar com água fria, faça com água quente.

3 Na falta de uma ou outra, derrame água três vezes sobre a cabeça, em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo.

4 Antes de batizar, tanto aquele que batiza como o batizando, bem como aqueles que puderem, devem observar o jejum. Você deve ordenar ao batizando um jejum de um ou dois dias.

CAPÍTULO VIII

1 Os seus jejuns não devem coincidir com os dos hipócritas. Eles jejuam no segundo e no quinto dia da semana. Porém, você deve jejuar no quarto dia e no dia da preparação.

2 Não reze como os hipócritas, mas como o Senhor ordenou em seu Evangelho. Reze assim: "Pai nosso que estás no céu, santificado seja o teu nome, venha o teu Reino, seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu; o pão nosso de cada dia nos dai hoje, perdoai nossa dívida, assim como também perdoamos os nossos devedores e não nos deixes cair em tentação, mas livrai-nos do mal porque teu é o poder e a glória para sempre".

3 Rezem assim três vezes ao dia.

CAPÍTULO IX

1 Celebre a Eucaristia assim:

2 Diga primeiro sobre o cálice: "Nós te agradecemos, Pai nosso, por causa da santa vinha do teu servo Davi, que nos revelaste através do teu servo Jesus. A ti, glória para sempre".

3 Depois diga sobre o pão partido: "Nós te agradecemos, Pai nosso, por causa da vida e do conhecimento que nos revelaste através do teu servo Jesus. A ti, glória para sempre.

4 Da mesma forma como este pão partido havia sido semeado sobre as colinas e depois foi recolhido para se tornar um, assim também seja reunida a tua Igreja desde os confins da terra no teu Reino, porque teu é o poder e a glória, por Jesus Cristo, para sempre".

5 Que ninguém coma nem beba da Eucaristia sem antes ter sido batizado em nome do Senhor pois sobre isso o Senhor disse: "Não dêem as coisas santas aos cães".

CAPÍTULO X

1 Após ser saciado, agradeça assim:

2 "Nós te agradecemos, Pai santo, por teu santo nome que fizeste habitar em nossos corações e pelo conhecimento, pela fé e imortalidade que nos revelaste através do teu servo Jesus. A ti, glória para sempre.

3 Tu, Senhor o­nipotente, criaste todas as coisas por causa do teu nome e deste aos homens o prazer do alimento e da bebida, para que te agradeçam. A nós, orém, deste uma comida e uma bebida espirituais e uma vida eterna através do teu servo.

4 Antes de tudo, te agradecemos porque és poderoso. A ti, glória para sempre.

5 Lembra-te, Senhor, da tua Igrreja, livrando-a de todo o mal e aperfeiçoando-a no teu amor. Reúne dos quatro ventos esta Igreja santificada para o teu Reino que lhe preparaste, porque teu é o poder e a glória para sempre.

6 Que a tua graça venha e este mundo passe. Hosana ao Deus de Davi. Venha quem é fiel, converta-se quem é infiel. Maranatha. Amém."

7 Deixe os profetas agradecerem à vontade.

A VIDA EM COMUNIDADE
CAPÍTULO XI

1 Se vier alguém até você e ensinar tudo o que foi dito anteriormente, deve ser acolhido.

2 Mas se aquele que ensina é perverso e ensinar outra doutrina para te destruir, não lhe dê atenção. No entanto, se ele ensina para estabelecer a justiça e conhecimento do Senhor, você deve acolhê-lo como se fosse o Senhor.

3 Já quanto aos apóstolos e profetas, faça conforme o princípio do Evangelho.

4 Todo apóstolo que vem até você deve ser recebido como o próprio Senhor.

5 Ele não deve ficar mais que um dia ou, se necessário, mais outro. Se ficar três dias é um falso profeta.

6 Ao partir, o apóstolo não deve levar nada a não ser o pão necessário para chegar ao lugar o­nde deve parar. Se pedir dinheiro é um falso profeta.

7 Não ponha à prova nem julgue um profeta que fala tudo sob inspiração, pois todo pecado será perdoado, mas esse não será perdoado.

8 Nem todo aquele que fala inspirado é profeta, a não ser que viva como o Senhor. É desse modo que você reconhece o falso e o verdadeiro profeta.

9 Todo profeta que, sob inspiração, manda preparar a mesa não deve comer dela. Caso contrário, é um falso profeta.

10 Todo profeta que ensina a verdade mas não pratica o que ensina é um falso profeta.

11 Todo profeta comprovado e verdadeiro, que age pelo mistério terreno da Igreja, mas que não ensina a fazer como ele faz não deverá ser julgado por você; ele será julgado por Deus. Assim fizeram também os antigos profetas.

12 Se alguém disser sob inspiração: "Dê-me dinheiro" ou qualquer outra coisa, não o escutem. Porém, se ele pedir para dar a outros necessitados, então ninguém o julgue.

CAPÍTULO XII

1 Acolha toda aquele que vier em nome do Senhor. Depois, examine para conhecê-lo, pois você tem discernimento para distinguir a esquerda da direita.

2 Se o hóspede estiver de passagem, dê-lhe ajuda no que puder. Entretanto, ele não deve permanecer com você mais que dois ou três dias, se necessário.

3 Se quiser se estabelecer e tiver uma profissão, então que trabalhe para se sustentar.

4 Porém, se ele não tiver profissão, proceda de acordo com a prudência, para que um cristão não viva ociosamente em seu meio.

5 Se ele não aceitar isso, trata-se de um comerciante de Cristo. Tenha cuidado com essa gente!

CAPÍTULO XIII

1 Todo verdadeiro profeta que queira estabelecer-se em seu meio é digno do alimento.

2 Assim também o verdadeiro mestre é digno do seu alimento, como qualquer operário.

3 Assim, tome os primeiros frutos de todos os produtos da vinha e da eira, dos bois e das ovelhas, e os dê aos profetas, pois são eles os seus sumos-sacerdotes.

4 Porém, se você não tiver profetas, dê aos pobres.

5 Se você fizer pão, tome os primeiros e os dê conforme o preceito.

6 Da mesma maneira, ao abrir um recipiente de vinho ou óleo, tome a primeira parte e a dê aos profetas.

7 Tome uma parte de seu dinheiro, da sua roupa e de todas as suas posses, conforme lhe parecer oportuno, e os dê de acordo com o preceito.

CAPÍTULO XIV

1 Reúna-se no dia do Senhor para partir o pão e agradecer após ter confessado seus pecados, para que o sacrifício seja puro.

2 Aquele que está brigado com seu companheiro não pode juntar-se antes de se reconciliar, para que o sacrifício oferecido não seja profanado.

3 Esse é o sacrifício do qual o Senhor disse: "Em todo lugar e em todo tempo, seja oferecido um sacrifício puro porque sou um grande rei - diz o Senhor - e o meu nome é admirável entre as nações".

CAPÍTULO XV

1 Escolha bispos e diáconos dignos do Senhor. Eles devem ser homens mansos, desprendidos do dinheiro, verazes e provados pois também exercem para vocês o ministério dos profetas e dos mestres.

2 Não os despreze porque eles têm a mesma dignidade que os profetas e os mestres.

3 Corrija uns aos outros, não com ódio, mas com paz, como você tem no
Evangelho. E ninguém fale com uma pessoa que tenha ofendido o próximo; que essa pessoa não escute uma só palavra sua até que tenha se arrependido.

4 Faça suas orações, esmolas e ações da forma que você tem no Evangelho de nosso Senhor.

O FIM DOS TEMPOS
CAPÍTULO XVI

1 Vigie sobre a vida uns dos outros. Não deixe que sua lâmpada se apague, nem afrouxe o cinto dos rins. Fique preparado porque você não sabe a que horas nosso Senhor chegará.

2 Reúna-se com freqüência para que, juntos, procurem o que convém a vocês; porque de nada lhe servirá todo o tempo que viveu a fé se no último instante não estiver perfeito.

3 De fato, nos últimos dias se multiplicarão os falsos profetas e os corruptores, as ovelhas se transformarão em lobos e o amor se converterá em ódio.

4 Aumentando a injustiça, os homens se odiarão, se perseguirão e se trairão mutuamente. Então o sedutor do mundo aparecerá, como se fosse o Filho de Deus, e fará sinais e prodígios. A terra será entregue em suas mãos e cometerá crimes como jamais foram cometidos desde o começo do mundo.

5 Então toda criatura humana passará pela prova de fogo e muitos, escandalizados, perecerão. No entanto, aqueles que permanecerem firmes na fé serão salvos por aquele que os outros amaldiçoam.

6 Então aparecerão os sinais da verdade: primeiro, o sinal da abertura no céu; depois, o sinal do toque da trombeta; e, em terceiro, a ressurreição dos mortos. 7 Sim, a ressurreição, mas não de todos, conforme foi dito: "O Senhor virá e todos os santos estarão com ele". 8 Então o mundo assistirá o Senhor chegando sobre as nuvens do céu.